quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Sim, comer à noite engorda mais

Estudo revolucionário mostra que o horário em que os alimentos são ingeridos pode torná-los mais ou menos engordativos.

Os cientistas sempre acharam que tanto faz comer de manhã, de tarde ou de noite - afinal, as calorias dos alimentos são sempre as mesmas. Mas um estudo conseguiu provar, pela primeira vez, que comer à noite pode ter consequências diferentes (e piores).

Numa experiência feita por cientistas da Northwestern University, nos EUA, dois grupos de camundongos comeram a mesma ração durante seis semanas. Para o 1º grupo, ela era servida no horário normal. Já os ratos do 2º grupo só eram alimentados no horário errado, em que deveriam estar descansando. Ao final do estudo, haviam ficado 48% mais gordos - muito mais do que os ratos alimentados na hora certa, que tiveram 20% de ganho de peso. Conclusão: por algum motivo, comer à noite engorda mais - mesmo que você ingira os mesmos alimentos que comeria durante o dia.

Ninguém sabe exatamente por que, mas os cientistas suspeitam que a
absorção da energia contida nos alimentos seja influenciada pelo ritmo circadiano - o relógio biológico do corpo. "Mudar a hora de comer pode ajudar a conter a epidemia de obesidade entre os humanos", recomenda o estudo.

Mas o hábito de assaltar a geladeira à noite talvez não seja uma falta de caráter - pode ser culpa da própria comida. Outra experiência feita com ratos, também na Northwestern University, constatou que uma dieta rica em gordura causa alterações numa parte do cérebro chamada núcleo supraquiasmático, que controla o relógio biológico - e isso faz com que o indivíduo tenda a dormir e comer cada vez mais tarde.

http://super.abril.com.br/alimentacao

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

As verdades sobre o leite

Desde a infância o ser humano é acostumado a ingerir leite e os seus derivados. Desta forma, você já deve ter ouvido algumas vezes de sua mãe que precisa beber este líquido para crescer forte e saudável. E ela tinha razão, já que ele é rico em cálcio, mineral mais abundante no corpo humano, e fundamental na formação óssea.

Luís Ricardo de Souza Alves, nutricionista da clínica Nutrição Fácil , explica porque o leite é essencial para crianças e adultos, e como a ausência de cálcio na alimentação pode acarretar alguns problemas na constituição dos ossos, além de dores e doenças mais graves.

“A falta de cálcio em crianças e adolescentes pode causar raquitismo (falta de mineralização óssea) ocorrendo deformações e dores nos ossos e fraqueza muscular. Em adultos esse processo é chamado osteomalácia. A falta desta substância também pode gerar convulsões musculares e a osteoporose (ossos extremamente fracos ficando mais suscetível à fratura), este último sendo mais comum em idosos”, afirma.

O leite e o corpo humano
Apesar de o leite animal não ter as mesmas propriedades que o leite materno, que é composto com todos os nutrientes e vitaminas necessários para o lactante, ele também tem suas vantagens. Por ser rico em proteína, substância essencial para quem pratica esportes, ele pode ser aproveitado desta forma.

“Não digo que o leite é indispensável para um atleta, até porque existem outros alimentos que contêm as substâncias necessárias na dieta de um corredor, e muitas pessoas sofrem intolerância à lactose. Mas o leite é rico em proteína, muito importante para o corpo humano”, explica Priscila Di Ciero, nutricionista esportiva.

Mas será que essa proteína animal pode ser bem aproveitada pelo humano? Luís explica. “Sim, a proteína do leite de vaca é excelente, e pode ser bem aproveitada pelo organismo. Alimentos como carne em geral (carne vermelha, peixe, frango), ovo, carne de soja, queijos magros e combinações de proteínas vegetais (como feijões, lentilhas, grão de bico) são excelentes proteínas para o organismo”.

Para quem sofre de intolerância à lactose, o açúcar do leite, outros alimentos podem substituir a bebida, para suprir a falta dos nutrientes encontrados nela. “Outros alimentos fontes de proteína são as carnes, os ovos, o tofu e alguns suplementos como whey protein e a albumina”, resume a nutricionista.

Com moderação
Alguns nutrientes do leite, como a proteína beta-lactoglobulina, não são aproveitados pelo corpo humano. Quando o intestino não está saudável esta substância, em vez de ser eliminada, é absorvida pelo corpo, mas não é aproveitada, podendo causar alguns problemas como cistite, celulite, resistência à insulina etc.

Porém, se utilizado sem exagero, e em pequenas quantidades, não há problema quanto à ingestão da bebida. “Algumas pessoas fazem uso diário do leite e nada sentem. Desta forma, não precisam excluí-lo do dia-a-dia. Já quem sofre à intolerância ou mal estar com consumo de leite deve evitá-lo sempre”, explica Priscila.

Já quando o assunto é a ingestão do leite antes de provas, Luís explica. “O leite é principalmente fonte de proteínas, e antes de exercícios e provas devemos ingerir mais carboidratos, por isso a ingestão de leite não deve ser exagerada antes desses momentos”, diz o nutricionista, que completa.

“Mas não é necessário eliminá-lo da alimentação. A palavra chave é moderação. Um copo de 200ml de leite 60 a 90 minutos antes de treinos ou provas (para quem não tem problemas com esse alimento) não fará mal algum”.

Prós e contras
A pedido do O2 Por Minuto o nutricionista Luís Ricardo de Souza Alves listou as vantagens e desvantagens do leite na dieta diária.

Prós:
Uma proteína de alto valor biológico
Uma das melhores fontes de cálcio
Uma boa fonte de vitamina A
Fácil e barata de achar em, praticamente, qualquer parte do Brasil.

Contras:
Para alguns indivíduos pode desenvolver ou potencializar certas patologias: colites; flatulência; crises de diarréias; desconforto abdominal; doenças alérgicas como asma, bronquite, rinites; dores musculares e articulares; diminuição das plaquetas; dermatites; agitação, enxaqueca e arteriosclerose.

http://o2porminuto.uol.com.br

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Quer ter resultado? Malhe 300 minutos por semana!

Quem está em busca de saúde e boa forma precisa ter claro que não basta deixar o sedentarismo de lado. É preciso malhar, e malhar o suficiente.

A tradicional recomendação de 150 minutos semanais (30 minutos, cinco dias por semana) de intensidade leve a moderada é baseada nos efeitos sobre a doença cardiovascular e outras doenças crônicas, como o diabetes, mas não é suficiente para quem precisa emagrecer.

Especialistas da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, aconselham às mulheres que desejam perder peso e manter a nova forma que se exercitem pelo menos 55 minutos durante cinco dias por semana e mantenham um cardápio de baixa caloria. Quem começou a treinar há pouco deve começar com 150 minutos e depois aumentar para 200 a 300, entre aeróbico e de musculação.

Muita gente reclama da preguiça que dá fazer musculação, mas é preciso. Aumentar a massa muscular aumenta o gasto calórico do organismo até em repouso. Isso ocorre porque os músculos precisam de mais energia para se manter vivos, ao contrário do tecido gorduroso. Sem contar que musculação ajuda a definir o corpo.

Além dos aparelhos de musculação, outras possibilidades são as aulas de ginástica localizada, como Body Pump, Body Jump, pilates e ioga, que trabalham a musculatura do corpo.

www.clicrbs.com.br

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Chocolate Amargo - doce amigo

Chocolate amargo
Veja porque ele é um doce amigo do sangue.

O chocolate há muito faz a festa dos apreciadores. Tem até aqueles que são tão fanáticos que autodenominam “chocólatras”.Só que agora, pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, afirmaram ter descoberto que o chocolate meio amargo melhora o funcionamento dos vasos sangüíneos. O artigo foi publicado na imprensa americana.

Segundo os cientistas, o chocolate meio amargo tem altas concentrações de flavonóides, substâncias antioxidantes e que são encontradas em larga escala neste alimento.

Pessoas que fizeram uso deste tipo de chocolate apresentaram uma capacidade maior de dilatar as artérias, o que representa melhora da saúde vascular, proporcionando menor risco de doenças cardíacas.

O bom funcionamento de veias e artérias ajuda a prevenir infartos, derrames e outras doenças ligadas à má circulação. Na experiência realizada na Califórnia, 11 pessoas ingeriram 46 gramas de chocolate amargo, rico em flavonóides por dia, enquanto outras dez comeram a mesma quantidade de chocolate com poucos flavonóides.

No fim do estudo, no grupo que ingeriu o chocolate rico em flavonóides, a dilatação dos vasos aumentou em 10%, enquanto no outro grupo houve uma queda de 10%.

Apesar dos resultados da pesquisa, cardiologistas alertam que estudos anteriores mostraram que os componentes do cacau podem melhorar a dilatação dos vasos sangüíneos a curto prazo, mas ainda não foi realizado um estudo dos efeitos a longo prazo. Estes médicos lembram que o chocolate é um alimento muito calórico e tem grande quantidade de gorduras, que se ingeridas em grande quantidade podem trazer problemas de saúde.

http://bemstar.globo.com