sexta-feira, 26 de junho de 2009

Estressou? Conte até 20 (minutos)!


Após um episódio estressante você sente vontade de devorar uma caixa inteira de chocolates? Saiba que não é a única pessoa a sentir tal desejo. E existem explicações científicas para tal. A diferença está entre aquelas que colocam em prática a gulodice e as que esperam a vontade passar.
Emoções como insegurança, ansiedade e depressão geram um descompasso bioquímico no sistema nervoso central que provoca alterações no apetite. Ou seja, os componentes cerebrais responsáveis pela variação de humor são capazes de disparar o gatilho para a fome emocional (que nada tem a ver com a fome por necessidade física de mais energia).
Como a maioria das pessoas faz uma associação subjetiva entre comida e sentimentos como alívio e prazer, se empanturrar com uma caixa de bombons é uma forma de compensar o desgaste provocado por algo ruim. As mulheres são 25% mais propensas a comer em excesso por fome emocional do que os homens.
Para não pôr em risco a dieta (e a saúde) é preciso estar atento a essas armadilhas do organismo - e não cair nelas. Uma dica da psicóloga americana Judith Beck, autora do livro Pense Magro, é contar até 20. Mas não são 20 segundos, são 20 minutos!
Nesse espaço de tempo, segundo a autora, uma pessoa está mais suscetível aos pedidos do cérebro após um episódio estressante.Se puder resistir à tentação de comer por esse tempo, a urgência por doces e carboidratos irá sumir. E a culpa não virá depois, nem os quilos extras.
Mais uma sugestão de Judith: faça um diário de comida por uma semana, anotando seus humores, o que a estressou no dia e quanto você ficou com fome após comer. Ao identificar as coisas que o levam até a geladeira, conseguirá reagir com mais controle na próxima situação estressante.




domingo, 21 de junho de 2009

CIRCUITO DAS ESTAÇÕES ADIDAS - PORTO ALEGRE - INVERNO

Aconteceu em Porto Alegre o Circuito das Estações Adidas, etapa de Inverno.



O Circuito das Estações Adidas é composto por quatro etapas, realizadas em cada estação do ano, no mesmo trajeto. a proposta da corrida é que, com a repetição de percurso, o corredor tenha parâmetros reais para comparar suas marcas e tempos de acordo com as condições climáticas, e assim estabelecer metas para medir a melhora de seu condicionamento físico durante o ano. as corridas são realizadas nas corridas são realizadas nas cidades de são paulo, rio de janeiro, belo horizonte, porto alegre e brasília, e ao concluir cada etapa o corredor recebe a medalha, que corresponde a ¼ da mandala do circuito das estações. assim, fazendo 5 km ou 10 km (as distâncias variam de acordo com a cidade) nas corridas do outono, do inverno, da primavera e do verão, os atletas completam a mandala, um “troféu” à parte para quem corre a cada estação.
Datas das provas:
OUTONO - 15 de março de 2009
INVERNO - 21 de junho de 2009
PRIMAVERA - 23 de agosto de 2009
VERÃO - 6 de dezembro de 2009


Eu e a Olga participamos e representamos a Active Academia concluindo os 5km de corrida!!!



A próxima etapa é dia 23/08/09. Estaremos lá!!!

O Prazer da Corrida

Quer começar a praticar corrida mas decisão final a preguiça sempre vence? Veja aqui 13 bons motivos para incluir essa atividade na sua rotina diária:

1. Coração: a corrida exige que o coração aumente o fluxo de sangue para todo o corpo. As fibras do músculo se fortalecem e a cavidade aumenta. Desta forma o coração bombeia mais sangue com menos batidas, se tornando mais eficiente. Com o aumento da circulação sangüínea pelo corpo, cresce a entrada de oxigênio nos tecidos.
2. Pulmões: correr faz com que o volume de ar inspirado seja maior, aumentando a sua capacidade de respiração.
3. Ossos: estimula a formação de massa óssea, aumentando a densidade óssea evitando problemas como a osteoporose (muito comum entre mulheres adultas e na terceira idade).
4. Pressão arterial: correr estimula a vasodilatação, o que reduz a resistência para a circulação de sangue. Uma maneira de diminuir a sua pressão é trabalhando a velocidade em terrenos plano.
5. Cérebro: aumenta os níveis de serotonina, neurotransmissor que regula o sono e o apetite. Em baixas quantidades, essa substância está associada ao surgimento de problemas como a depressão.
6. Peso: quanto maior a intensidade do exercício maior a queima calórica e de gordura. A corrida ajuda a gastar muitas calorias, favorecendo a perda ou manutenção do seu peso. Em uma hora de treino, um atleta chega a queimar até 950 calorias.
7. Colesterol: diminui os níveis de LDL (colesterol “ruim”). Corredores de longas distâncias têm o nível mais alto de HDL (colesterol bom ), encarregado de transportar os ácidos graxos no sangue e de evitar o seu depósito nas artérias.
8. Estresse: com a corrida, há liberação do hormônio cortisol, aliviando o estresse e a ansiedade.
9. Sono: fazer atividade física, melhora a qualidade de sono. Correr faz a pessoa dormir melhor. Após o exercício, o corpo libera endorfina, substância que provoca a sensação de bem-estar e ajuda a relaxar.
10. Músculos: a corrida ajuda a melhorar a resistência muscular e também queima a gordura dos tecidos musculares, deixando-os mais fortes e definidos.
11. Rins: com o aumento da circulação, há também uma melhora da função dos rins, que filtram o sangue e reduzem o número de substâncias tóxicas que circulam pelo corpo.
12. Articulações: correr torna a cartilagem das articulações mais espessa, o que protege melhor essas regiões tão frágeis do nosso corpo.
13. Aumenta a libido: após 30 minutos de corrida, há um aumento da testosterona que permanece assim, por mais uma hora aproximadamente. No caso das mulheres também há um aumento dos hormônios relacionados ao desejo.
Se ainda não forem motivos suficientes para você, lembre-se que o prazer com o exercício físico só vem depois de algum tempo de treino… Então, comece a correr!

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Musculação para hipertensos


Embora, nos consultórios, muitos médicos digam que atividades aeróbicas sejam mais adequadas para hipertensos, pesquisas feitas nos últimos anos concluíram que a musculação pode ajudar a reduzir a pressão arterial.
Uma análise de 11 exames clínicos, que compararam 182 adultos praticantes de musculação várias vezes por semana e 138 não praticantes, publicada no periódico Hypertension, observou que a musculação diminuiu a pressão sanguínea sistólica em até 2% e a diastólica em cerca de 4%.
Outro relatório da American Heart Association revelou que duas ou três sessões de levantamento de peso por semana com exercícios de flexões e pressões são suficientes para diminuir a pressão arterial.
A conclusão é que a atividade desenvolve os músculos, que passam a necessitar de menos oxigênio para manter suas células. O resultado se reflete no coração, que precisa trabalhar menos. Além disso, o praticante da musculação -assim como adeptos de outras atividades físicas - torna-se mais ativo.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Transforme gordura em massa muscular

A vontade de emagrecer leva muita gente às academias. Até pouco tempo atrás, a recomendação para os gordinhos era investir pelo menos 30 minutos diários em exercícios aeróbicos, como corrida, caminhada, pedalada. No entanto, atualmente, é defendida a ideia de que um bom trabalho de emagrecimento requer a combinação da musculação e exercícios aeróbicos.
O raciocínio é simples: cada quilo de músculo consome, em média, 35 calorias por dia, em repouso, sendo que um quilo de gordura gasta apenas seis calorias. Com mais músculo e menos gordura o corpo gasta mais calorias para se manter.
Mas, atenção: emagrecer não é exatamente a mesma coisa que perder peso. É possível ter perdido uns bons quilos de gordura sem mover o ponteiro da balança. A atividade física fortalece e aumenta a massa muscular. E que ela pesa. A boa notícia é que é possível perder medidas – e isso é o que importa – sem perder peso e ainda ficar com o corpo sarado.
É hora de viver melhor, é hora de ser Active!!
.

terça-feira, 2 de junho de 2009

Refrigerantes: em excesso eles são um perigo


As pessoas que bebem muito refrigerante podem ter sérios problemas musculares e até cardíacos devido à queda do nível de potássio no sangue, revela um estudo publicado pelo International Journal of Clinical Practice. A ingestão exagerada dessa bebida reduz o nível da substância no sangue, o que provoca transtornos do ritmo cardíaco, que podem até matar.
Antes de chegar a esse extremo, a redução do potássio provoca debilidade muscular, palpitações e enjoos. O estudo foi realizado com pessoas que bebiam entre dois e nove litros diários de refrigerante, incluindo mulheres grávidas internadas.
Uma gestante que bebia três litros de refrigerante por dia apresentava cansaço, perda de apetite e vômitos, enquanto outra, que consumia até sete litros diários (antes da internação), sofria de debilidade muscular.
Após deixar de beber refrigerante e tomar potássio, as duas pacientes se recuperaram, destaca o estudo. A redução do potássio é provocada por três componentes muito presentes em certos refrigerantes: glicose, frutose e cafeína.